Categorias
Auto-organização migrante Comunicados Slider Novidades Portugues

1 de Maio: um grito colectivo

Eu quero gritar.

Eu quero gritar porque estou cansadx de ver a vida fugindo entre o trabalho, os compromissos e as tarefas sem fim.

Eu quero gritar porque estou cansadx de lutar por cada pedacinho de uma vida digna.

Eu quero gritar porque me vendem lixo industrializado em supermercados e lixo enlatado na mídia.

Me vendem seu lixo e me forçam a me sentir satisfeitx por comprá-lo.

Visto que eu possa comprá-lo.

Estou cansadx de dizer a minhxs vizinhxs que o aumento dos preços não é por culpa dos pequenos comerciantes, senão por culpa das grandes cadeias de abastecimento.

Estou cansadx de ver minhxs filhxs isoladxs por dois anos de pandemia. Estou cansadx de ouvir falar de minha responsabilidade individual e que a solidariedade seja ficar em casa assistindo Netflix.

O que mais temos que suportar aquelxs de nós que vivemos do nosso trabalho? Suas guerras imperialistas e seus custos, nós carregamos em nossas costas, a dor de refugiados e migrantes que perdem suas vidas, negócios, famílias e laços sociais.

Tudo têm impacto direto sobre a vida daquelxs de nós que ainda temos alguma empatia.

Eu quero gritar

Eu quero parar de ver minhxs amigxs e colegas entrando em depressão.

Quero ter tempo para ajudá-lxs e abraçá-lxs.

Estou cansadx de ver milhões de euros gastos em armas enquanto os sistemas de saúde e de previdência social estão em crise.

Enquanto xs enfermeirxs recebem um salario ruim e as demandas aumentam a cada dia devido à falta de funcionarios.

Eu quero jogar futebol com minhxs filhxs após o trabalho,

Eu quero sentar e compartilhar um jantar sem ter medo da conta de luz.

Eu quero ter tempo para criar e construir, porque somos nós que construímos este mundo e são os nossos corpos que sofrem a exploração. Somente quando pudermos tomar esta construção em nossas mãos, é que seremos livres.

Queremos gritar juntxs pela defesa de uma vida digna para todxs. Na Ucrânia, na Rússia, na Síria, na Alemanha, na América Latina, e no mundo todo. Hoje, lutar contra a crueldade e por um mundo menos cruel é política revolucionária.

Neste 1º de maio, vamos transformar nossos gritos em um grito coletivo. Vamos mostrar nosso cansaço nas ruas e vamos tornar visível o mundo que estamos construindo dia após dia. Vamos organizar nossa frustração contra a opressão e a exploração.

Vamos unir nossas forças para um mundo onde outros mundos também se encaixem.

Por um mundo em que vale a pena viver.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *